domingo, 29 de junho de 2014

Cheguei - 55o dia Rumo ao Ártico




Cheguei !!!!

55o dia Rumo ao Ártico
Chego a Nordkapp - o mais ao norte que se pode ir de carro!
Nordkapp fica no círculo polar ártico - 71o 10’  22’'
A cidade tem 3 mil habitantes mas recebe mais de 200 mil turistas por ano.
Para se chegar ao topo do plato de Nordkapp, que fica a 300 metros de altura passei pela estrada mais bonita que vi em toda a minha vida.  A vista é deslumbrante, nenhuma foto consegue retratar com fidelidade as minúsculas vilas de pescadores, as pastagens esverdeadas das renas (vi centenas delas pastando livremente), as montanhas com placas de gelo que ainda não derreteram…
Estou postando algumas fotos, a única que não é minha é a do sol da meia-noite em Nordkapp.












AS MEDALHAS trata-se de um monumento criado em 1989 por sete crianças de diferentes partes do mundo para simbolizar a cooperação, a amizade, a esperança e a alegria, através de todas as fronteiras. 
É uma iniciativa da "Children of the Earth" que patrocina um prémio anual para distinguir uma organização ou projeto que vise a melhoria das condições de vida das crianças no mundo. 

Desde 1989 a cerimónia de entrega tem ocorrido no Nordkapp.





Amanhã vou tentar fazer um vídeo desta estrada, mas pela qualidade das fotos que tirei, tenho certeza que será impossível retratar a beleza desta jornada. Uma pena, eu gostaria muito de compartilhar a emoção que senti.

sábado, 28 de junho de 2014

A caminho de kvalsund


28/06

Aproveitei o dia para conhecer a cidade de Kvalsund


1051 habitantes, um paraíso no extremo norte da Noruega




link com youtube:

http://youtu.be/-06aZCYRcYw

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Chegando em Lakselv - Noruega - 26/06


52o dia Rumo ao Ártico
Chegando em Lakselv - Noruega - 26/06

Quando estava para sair do hotel em INARI, um grupo de 8 casais que estavam para embarcar no ônibus de turismo pararam para ver o triciclo.
Um senhora perguntou se poderia tirar foto. Disse para ela sentar no banco do piloto que a foto ficaria melhor… pra que fui falar isto, fizeram fila… todas as mulheres sentaram para tirar fotos…
Abaixo a foto que tirei da sacada do meu quarto a meia-noite de 30 minutos e a a foto do hotel em INARI Este é o 3o hotel na Finlândia que tem uma secadora de roupas no quarto, mas foi o único que tinha uma sauna seca no quarto, além de geladeira e cafeteira...




A viagem para LAKESELV foi tranquila apesar do frio, 5 graus e alguns trechos de chuva. 
Hoje passei pela estrada mais deserta de toda a viagem: 80Km sem um posto de gasolina. Cruzei somente com um trailer...
A paisagem nesta região da Noruega é completamente diferente daquela que eu estava na Finlândia:
Comecei a ver montanhas com grandes placas de neve que ainda não derreteram, vegetação rasteira e fiordes... 
O tempo estava bastante instável hoje. Maior parte do dia nublado. No final da tarde o sol deu as caras e ei aproveitei para visitar a cidade vizinha, Borselv. Uma pena que a bateria da GOPRO estava a zero. Passei pela estrada mais bonita de toda a viagem.

Amanhã vou tentar fazer um vídeo...













quarta-feira, 25 de junho de 2014

Chegando em INARI - 26/06


51o dia Rumo ao Ártico

INARI - Norte da Finlândia.


Estava 5 graus quando sai de Sodankyla.
Os 7 graus de INARI, por causa das rajadas de vento de até 30Km/h, faz com que a sensação de frio seja muito maior.
A temperatura no trajeto variou nesta faixa e o vento não deu folga…
Parei 2 vezes para tomar café e outras vezes para tirar fotos e aproveitei para aquecer as mãos.






As mãos são as partes do corpo que mais sofrem, apesar da luva ser de inverno e de Gorotex… 

Numa das paradas, encontrei um grupo de alemães em excursão. Além das perguntas usuais, eles tiraram muitas fotos do triciclo e um deles fez questão de sentar no banco de traz, pediu para eu dar uma  volta com ele no estacionamento. A “velharada" se divertiu..
A foto irá para o facebook do dono do Cafe Zippi & Suhaus… vou ver amanhã…



O hotel que estou é muito interessante.
Fica ao lado do rio Inari, excelente para a pesca de truta.




Da janela do meu quarto tenho uma vista privilegiada do rio. Tirei umas fotos para lembrar.





No banheiro de cada quarto tem uma sauna seca, muito bem construída. Todo quarto tem uma secadora de roupa. Dá para imaginar como é o tempo por aqui...
O restaurante é muito bom. O prato de truta custou 10 euros.
A foto do fundo do hotel, dá para ver o restaurante.


Dá para passar uma semana nesta cidade. 
Existem muitas trilhas e excelentes locais de pesca.






Alguns quilômetros antes de chegar a cidade, uma rena atravessa a pista na minha frente.  

Nesta região é preciso tomar muito cuidado, pois eles são um perigo real para os motoristas.

Um vídeo para eu me lembrar do último trecho:




 .

terça-feira, 24 de junho de 2014

Chegando em Sodankyla-24/06



50o dia Rumo ao Ártico
Chegando em Sodankyla - Norte da Finlandia
24/06/2014

Sodankyla - 8 mil habitantes situada acima do círculo polar Ártico

Segundo informações que recebi de um morador a cidade famosa por:

1- suas minas de ouro e ametista
2- sol da meia noite de 30 de maio a 15 de Julho
3- estar permanentemente coberta de neve de 30 de outubro a 15 de maio
4- segundo ele, aqui acontece a aurora boreal mais bonitas da região 
5- corrida de renas nas Sextas-feiras Santas
6-maior parque natural nacional da Finlândia com excelente trilhas para trekking 

Infelizmente, eu vou ficar aqui somente um dia.
E usei toda a tarde livre para resolver o problema do curto-circuito que aconteceu no cabo de alimentação do GPS quando ainda estava chegando em Ruka (chuva).

Por causa deste problema, o GPS (que estava instalado no guidon do triciclo) precisou ficar no bolso da jaqueta de Ruka até aqui. 
O que significa que não tinha visão da rota no GPS…

Os fones de ouvido bluetooth não funcionaram. 
Tive que improvisar com fone de ouvido do iPod.
A uns 20 kms de Sodankyla acabou a bateria do GPS… demorei para encontrar o hotel, mais encontrei. As pessoas aqui realmente são muito gentis.

Assim que cheguei no hotel, antes de descarregar a bagagem fui procurar uma loja de ferramentas.
Comprei jogo de chaves de fenda, phillips, alen e até um multimetro. 
Achei o problema e consertei. 
Como dizem: TODO SISTEMA É TÃO FORTE QUANTO O SEU ELO MAIS FRACO.
O problema era uma lâmpada queimada que deve ter entrado em curto por causa da chuva…

Cada dia, um novo dia.

Coragem!

Um vídeo do trecho final deste dia:

link:

incorporado:



segunda-feira, 23 de junho de 2014

23/06 - Dia de caminhar - Ruka


Tirei o dia para caminhar.
Foram pouco mais de 4 hs de caminhada intensa.
Muita subida.
Comecei visitando a pista de esqui de 148 metros de altura.
Subi 70 metros pela escada que fica a direita da pista.
Tirei uma foto olhando para cima e outra olhando para baixo.
Não subi até o topo pela escada. Meu joelho começou a doer. 
Eu iria mesmo até o topo pela trilha azul...


Aqui, no verão, tem muitas alternativas para quem gosta de caminhar e andar de bicicleta (sem falar de canoagem e pescaria).
No inverno, existem trilhas específicas para esquiar e para trenós motorizados (snowmobile). 
As placas são bem visíveis. 
No verão podemos escolher qualquer trilha para caminhar, mas as recomendadas oferecem uma vista mais bonita. 



Eu fiz um mix, mas usei a trilha azul para chegar ao topo da pista.



Algumas fotos desta caminhada.






Postei também uma foto da entrada do hotel e do estacionamento.
O triciclo está coberto porque choveu bastante ontem. Ele vai ficar coberto até amanhã cedo quando parto para outra cidade.




e lá em cima, eu...
( apesar do sol, está frio...)








domingo, 22 de junho de 2014

Chegando em Ruka - 21/06




A viagem de Kajaani até Ruka foi interessante. 
A alternância entre trechos com chuva e sem chuva (algumas vezes até dava pra ver céu azul) foi muito grande. Só o frio e o vento foram constantes.
Parei num posto de uma cidadezinha para abastecer e com a intenção de colocar mais uma camisa por baixo da jaqueta (já estava com duas - sendo uma a segunda pele). 
Assim que parei chega um "senhorzinho" de bicicleta, pergunta sobre o triciclo, deita no chão para ver o motor, para onde vou, etc. 
Olho para  a loja de conveniência do posto e vejo 5 “senhorzinhos" olhando para o triciclo.
Daria uma fotografia excelente. Nunca vou me esquecer desta cena.
A loja tem uma frente de vidro. O balcão que eles estavam é daqueles compridos e estreitos que ficam encostados no vidro e você senta olhando para fora.
Eles estavam sentados um ao lado do outro e olhando atentamente para o triciclo.
Não tive coragem de tirar a jaqueta e colocar mais uma camisa…
Neste posto estava o helicóptero do "Santa Claus"


Depois de uns 30 minutos de estrada, praticamente deserta, vejo uma placa CAFÉ e mais a frente umas casinhas de madeira. 
“É ali mesmo que vou parar, tomar um café e colocar outra camisa”.
Foi uma excelente decisão.

O espaço era de um casal de artistas alternativos.

Ela estava fazendo panqueca num fogão a lenha adaptado. 
Café e panqueca = 4 euros . (Os 8 euros melhor gastos na viagem). 
A panqueca foi servida numa lasca de árvore, o garfo e a faca eram 2 pedaços de galho de árvore (tipo Hashi), o porta copo era um toco de madeira furado.   




Ao lado da mesa coletiva ficava o ateliê com desenhos e artesanatos.
Lá fora, o trabalho mais interessante: “Pessoas sem voz”. 
Havia pelo menos 200 “pessoas”.


Voltei a estrada agora melhor agasalhado para enfrentar a alternância entre trechos com chuva e sem chuva.
A uns 20Km de Ruka, dá um "tilt" no GPS que fica preto, sem imagens. Paro na estrada, tiro o GPS do suporte e a imagem volta. Coloco no suporte e a imagem desaparece. 
Chi… pensei: “ Tó ferrado. Acho que a chuva deu algum curto no cabo de alimentação do GPS. Pior que não tenho acesso…”.
Tirei o GPS do suporte. Coloquei no bolso e  parti para RUKA.
Ainda bem que a cidade é pequena. 232 habitantes. Poucos erros e chego ao hotel.
Estava fechado. Olhei no relógio, 13:50. 
Na porta, uma mensagem dizia que o restaurante, que também é  recepção do hotel, abre as 14hs. Legal. Vou esperar pouco tempo. 
Menos de 30 segundos depois, para um taxi e desce um jovem (como eu) vestindo uma jaqueta de couro  Alpinesters.   (pensei: é motoqueiro).
Dito e feito. 
Único detalhe. Estava meio bêbado… A voz pastosa e a fala meio desconexa… 
"Ontem a noite teve a festa do Midsummer…”. 
Ele me disse que só bebe no verão e mostrou no bolso interno da jaqueta uma garrafinha de whisky. 

Finalmente o restaurante abriu. 

Fui fazer o check in, mas meu quarto só ficaria pronto as 16hs.  
Vou almoçar aqui mesmo e esperar. Pedi uma cerveja e sentei num canto com vista para o lago.
“Meu amigo” chega,  pega meu copo e fala: “vamos sentar ali, você não é um "lonely rider", é? "
Logo aparece um outro jovem (como eu e motoqueiro como ele) com uma sanfona na mão…
Começa a tocar e a cantar.
Meu amigo fala que sou do Brasil e pede para o Kawasaki tocar um samba para mim.
A essa altura já havia várias pessoas no restaurante…
Viva o Brasil!

Depois de um tempo, meu amigo diz:  "se precisar de alguma coisa fala comigo. Preciso falar com os outros. Tudo bem?”.

Mais tarde sai para fotografar o lago e a pista de esqui.
As fotos do lago ficaram do jeito que eu queria, da pista de esqui não.






Da pista de esqui, não retratam o que eu vi. 
Vou tentar tirar outras fotos, por hora um link sobre Ruka:



E chove, e o sol aparece, e chove e o sol aparece, e chove…
Coragem!