domingo, 8 de fevereiro de 2009

Comportamento de viciado?


Muitas Instituições se comportam como um viciado.

O mecanismo básico de defesa (a qualquer vício) é a negação.

“Renunciar por quê?”... “Não tenho nada a esconder”... “Não tenho dinheiro no exterior”...

“Minha fortuna foi construída honestamente”... “Fazemos jus ao nosso salário”...

Quantas vezes ouvimos isto de nossos políticos?

A hipocrisia, o isolamento, a falta de percepção da realidade são maneiras comuns de viciados responderem a crise.

Mentem para si mesmos, pois não querem admitir seus desvios.

A hipocrisia toma conta do ambiente, pois ninguém expõe, com franqueza, o que pensa.

A busca frenética por mais “poder”, mais “dinheiro”, mais “tempo” (a satisfação está lá fora) é mecanismo de fuga de um viciado.

Não admitindo seus problemas, nunca conseguirão resolvê-los.

A ilusão de que tudo está sob controle acaba deteriorando a ética.

Eventos grotescos, altamente repugnantes não são Institucionalmente tratados de forma adequada.

Pelo fato de, neste País, termos ignorantes demais, esta falta de consciência, de valores e de ética na política é aceita como “normal”.

E o problema se arrasta...

A única saída para recuperar uma Instituição com comportamento de viciado é a avaliação externa.

Por esta razão, a imprensa e a população consciente precisam explicitar “o vício”: Comunicação é essencial!

Água mole em pedra dura...

Um comentário:

Mariana disse...

Em um país em que se gasta 6 milhões de reais de horas extras no mês de janeiro em que o congresso estava de recesso..é rídiculo...isso porque estamos com a economia em crise.
Eu vejo as reportagens que o CQC faz com eles e é terrível..como eles não sabem o que está acontecendo!
Veja esta reportagem: http://www.youtube.com/watch?v=gbXK_spRXr0 e tire suas conclusões...
Abraço,
Mariana